Berlim admite: medidas restritivas podem durar o ano inteiro

O secretário do Interior de Berlim, Andreas Geisel, admitiu nesta sexta-feira a possibilidade de que medidas restritivas no país possam ser prolongadas por todo o ano, para evitar que a propagação do novo coronavírus gere um colapso nos hospitais locais.

“Teremos que reduzir a velocidade dos contágios, para não sobrecarregar o sistema de saúde e chegar a situações como as que passam Espanha e Itália“, disse o integrante do governo da cidade-estado, em entrevista à emissora pública de rádio “RBB”.

De acordo com Geisel, não há otimismo quanto ao fim das medidas de distanciamento social e restrição de contatos impostas até o momento.

“Não seria sério dizer que tudo terminará em 19 de abril. Temo que isso nos acompanhará durante todo o ano”, afirmou o secretário do Interior.

Ontem, as autoridades de Berlim atualizaram as medidas adotadas, a partir de determinação do governo liderado pela chanceler Angela Merkel, para combate à pandemia, que tinham prazo inicial de 22 de março e foram prorrogadas em mais duas semanas, pelo menos.

A cidade-estado, capital da Alemanha, tem 3,7 milhões de habitantes e já registrou 3.202 casos de infecção e 20 mortos. Em todo o país, são mais de 79 mil casos e 1.017 óbitos, segundo dados coletados pelo governo federal.

Em Berlim, as autoridades optaram por um bloqueio parcial da vida pública, com proibição de aglomerações ou saídas de mais de duas pessoas (que podem ser flexibilizadas), para atividades físicas ao ar livre, desde que seja mantido distanciamento de cinco metros com outras pessoas.

*Com informações da Agência EFE