Diretor de sistema viário da BHTrans quer implantar recurso ainda neste ano.

Estacionamento rotativo em Belo Horizonte poderá ser fiscalizado por sistema inteligente de leitura de placas. — Foto: Alex Araújo/G1
Estacionamento rotativo em Belo Horizonte poderá ser fiscalizado por sistema inteligente de leitura de placas. — Foto: Alex Araújo/G1

A Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) estuda a implantação de um sistema inteligente de fiscalização do uso do estacionamento rotativo na capital. O projeto, ainda em desenvolvimento, prevê que uma câmera instalada em um carro seja usada para verificar a regularidade dos veículos estacionados.

“Se for constatada irregularidade no estacionamento, será gerado um auto de infração. O código também será integrado ao banco de dados de veículos furtados, em um convênio com a Polícia Civil”, explicou o diretor do sistema viário da BHTrans, José Carlos Mendanha Ladeira, que espera que o recurso seja implementado ainda neste ano. Veículos clonados também seriam identificados com mais facilidade.

No novo sistema de fiscalização, a BHTrans pretende desenvolver um software que leia as placas dos veículos através da tecnologia Optical Character Recognition (OCR). “Entre os dados capturados estarão a placa, o CEP, a localização por GPS, a hora e o código da infração de estacionamento”, detalhou o diretor do sistema viário da capital.

Atualmente, a fiscalização do Rotativo Digital é feita manualmente por guardas municipais e policiais militares, através de um aplicativo de celular. Mendanha afirmou ainda que está desenvolvendo o termo de referências, que seria o projeto básico, para a abertura da licitação.

“Com dois veículos com esta câmera, a gente conseguiria percorrer todas as vagas de estacionamento rotativo em Belo Horizonte, pelo menos uma vez por dia”, acrescentou o diretor.

Em Belo Horizonte, o Rotativo Digital foi implantado em junho do ano passado. Os talões de papel não são mais fabricados, mas continuam sendo vendidos por quem tem em estoque. Segundo Mendanha, desde a adoção do rotativo digital, a taxa de obediência ao tempo de permanência passou de 18% para 32%.