Mãe de Luiz e Camila Taliberti e pais e irmã de Fernanda Damian devem ser indenizados; Luiz e Fernanda, que eram casados, esperavam o primeiro filho e as famílias também vão receber indenização pela morte do neto ainda não nascido.

Luis (à direita) e Camila Taliberti (a 2ª a partir da esquerda) foram mortos em Brumadinho; padrasto (à esquerda) e mãe (3ª a partir da esq.) foram a Brumadinho para tentar localizá-los — Foto: Reprodução
Luis (à direita) e Camila Taliberti (a 2ª a partir da esquerda) foram mortos em Brumadinho; padrasto (à esquerda) e mãe (3ª a partir da esq.) foram a Brumadinho para tentar localizá-los — Foto: Reprodução
Fernanda Damian de Almeida, 30 anos, grávida de 5 meses de Lorenzo, morreu em Brumadinho — Foto: Arquivo Pessoal
Fernanda Damian de Almeida, 30 anos, grávida de 5 meses de Lorenzo, morreu em Brumadinho — Foto: Arquivo Pessoal

A mineradora Vale foi condenada a pagar indenização de quase R$ 12 milhões a duas famílias de São Paulo que perderam os filhos e o neto no rompimento da barragem de Brumadinho. Da decisão cabe recurso.

A tragédia socioambiental, considerada uma das maiores do país, matou 270 pessoas em janeiro deste ano. Dois bebês que estavam em gestação, um deles destas famílias, não constam como vítimas oficiais do desastre na lista da Polícia Civil.

A sentença foi dada em primeira instância pelo juiz Rodrigo Heleno Chaves às famílias dos irmãos Luiz Taliberti Ribeiro da Silva, de 31 anos, e Camila Taliberti da Silva, de 33 anos, e ainda de Fernanda Damian de Almeida, de 30 anos, que era casada com Luiz e esperava o primeiro filho do casal.

Luiz, Fernanda e Camila passeavam em Brumadinho de férias em companhia do pai, Adriano Ribeiro da Silva, de 61 anos, e da mulher dele, Maria de Lourdes da Costa Bueno, de 59 anos. Os dois também morreram na tragédia. O processo sobre as duas mortes corre em separado e não há sentença ainda.

Maria de Lurdes e o marido Adriano Ribeiro da Silva moravam em São José do Rio Pardo; processo sobre as mortes deles segue separado — Foto: Reprodução/Facebook
Maria de Lurdes e o marido Adriano Ribeiro da Silva moravam em São José do Rio Pardo; processo sobre as mortes deles segue separado — Foto: Reprodução/Facebook

Indenizações

Em janeiro, um dos advogados da ação, Roberto Delmanto Júnior, disse que eles buscariam indenização de R$ 40 milhões – R$ 10 milhões para cada um dos mortos. Ele considerou o lucro da mineradora, de R$ 25 bilhões, em 2018 para fazer o cálculo.

À Helena Taliberti, mãe de Luiz e Camila, e avó de Lorenzo, que não chegou a nascer, o juiz determinou indenização de R$ 2 milhões para cada filho e mais R$ 750 mil pela perda do neto.

A Teresinha e Joel, irmã e pais de Fernanda, a Justiça determinou indenização de R$ 2 milhões pela morte da filha e mais R$ 750 mil pela perda do neto a cada um. Daniele, irmã de Fernanda, deve receber R$ 1,625 milhão.

Um dos pontos questionados pelo padrasto de Luiz e Camila, Vágner Diniz, era o reconhecimento do neto como vítima. Ele contou que, durante o processo, a Vale chegou a questionar se o bebê, que estava saudável, iria realmente nascer.

Na decisão, porém, o juiz negou o pedido de desculpas formal requisitado pelas famílias por parte da Vale e a construção de um memorial pelas vítimas.