Com isolamento, fiéis aumentam participações em missas online

Em tempos de quarentena pelo coronavírus, os católicos precisaram reinventar a forma de participar de um dos mais importantes preceitos de fé: a celebração eucarística. O uso de live para transmissões das bênçãos tem sido bem recebido pelo fiéis, chegando a superar o número de participantes das missas presenciais.

No coração da Itália, um dos países mais afetados pela pandemia, o Vaticano deu o exemplo. No mês passado, a Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos publicou dois decretos em que reconhece de maneira especial as missas online nesse período de isolamento social.

A preocupação maior era com as celebrações da Semana Santa, importantes para a fé católica. O resultado foi sintetizado pelo próprio papa Francisco, na histórica imagem de sua celebração, solitário na Praça São Pedro vazia, mas acompanhado pelo mundo todo de casa.

“Um grande gesto de humildade desse homem humano, papa Francisco, que quis de forma extraordinária dar essa bênção de Roma para o mundo. Com todas as pessoas que o estavam acompanhando pelos meios de comunicação”, disse o padre Lucas Gobbo, reitor da Casa de Formação São Caetano e vigário da Paróquia de São Geraldo, em Guarulhos.

O padre Denilson Geraldo, especialista em Direito Canônico e diretor do Instituto San Vincenzo Pallotti, de Roma, explicou que os dois decretos do Vaticano seguem as recomendações dos órgãos de saúde de casa lugar e dão sugestões para que os bispos celebrem a Santa Missa sem a presença do povo.

“É uma situação de emergência sanitária, exige das comunidades católicas uma pronta resposta às necessidades de toda a população. Desse modo, as missas continuam sendo celebradas. A Igreja pede que os fiéis se unam espiritualmente, não fisicamente, nesse tempo e agora na Páscoa.”

Com a determinação e a adoção das missas online, fiéis estão aumentando, cada vez mais, a participação nas lives religiosas. O padre Bruno Muta Vivas, da Paróquia Nossa Senhora do Rosário, em Pirituba, estimou que houve aumento de 50% a 70% no número de pessoas nas transmissões.

“Aqui na paróquia estamos fazendo vários momentos de oração. Estamos celebrando missa todos os dias, no horário habitual, e percebemos até um aumento maior das pessoas que acabam assistindo pela internet.”

Já o Padre Eugênio Ferreira de Lima, da Paróquia Cristo Rei, de Ipatinga, acredita que a internet veio para facilitar a comunicação com o fiéis. “Quem falava que a internet era coisa do diabo, hoje tem de bater na boca. Imagina um padre hoje, trancado dentro de casa, sem internet. Como ele ia se comunicar com seus paroquianos?.”

Ele montou montou um oratório em seu quarto e é de lá que celebra as missas diárias pelo Facebook. “E da capelinha que eu montei, só tenho a agradecer a Deus por essa ferramenta tão criticada por falsos moralistas. Sigo celebrando missas e centenas de pessoas de vários lugares estão assistindo.”

A impressão de crescimento é geral. “Vejo 150, 160 pessoas online e sabemos que muitos assistem com filhos, pais, então o número é bem maior. Meu pai não conseguia participar da minha missa porque mora distante, agora ele tem um Facebook só para ver a missa do filho”, diz o padre Pedro Luiz Amorim Pereira, pároco na Igreja da Imaculada Conceição, no Ipiranga.

*Com informações do Estadão Conteúdo