Concacaf admite que seleções podem voltar às atividades apenas em 2021

O calendário de partidas entre seleções pode voltar a normalidade apenas em 2021, em razão das medidas restritivas advindas da pandemia do novo coronavírus, disse um dos vice-presidentes da Fifa nesta segunda-feira.

O canadense Victor Montaglini, que também preside a Concacaf, está à frente de um grupo na Fifa que formula o plano de ação da entidade para lidar com as implicações da covid-19 no futebol. A entidade já cancelou as partidas entre seleções que seriam realizados até o fim do primeiro semestre.

O cartola acredita que as janelas de setembro, outubro e novembro, que seriam utilizadas para partidas de seleções, também podem ser canceladas. “Pessoalmente, acho que isso pode ser um desafio, não tanto apenas pelas questões de saúde em todo o mundo e pelos vários graus de preparação, mas também pelo comprometimento das viagens internacionais”, disse, em entrevista a agência AP.

“Eu acho que o futebol nacional é uma prioridade. Setembro ainda está marcado, mas eu gostaria de dizer que não tenho certeza de que teremos um terreno sólido até lá”, completou.

O retorno das torcidas dependerá do desenvolvimento de uma vacina contra o vírus, e isso pode não aconteceer até o ano que vem. “Se tivermos luz verde para jogar uma partida de futebol, eu duvido muito que o primeiro jogo de futebol será com torcedores. Eu simplesmente não consigo ver isso. Eu penso que isso seria um risco enorme”, disse.

Em países mais atingidos pela pandemia, uma retomada do futebol ainda em 2020 pode não ser possível. “Se você levar isso para além das fronteiras internacionais, isso se torna uma questão significativa”, afirmou Montagliani.

* Com Estadão Conteúdo