Coronavírus: Estado de SP tem 30 mil testes à espera de resultado

O Instituto Adolfo Lutz – laboratório público estadual responsável pelas análises – acumula, no momento, cerca de 30 mil exames na fila para investigação. As informações estão em boletim epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo divulgado na quinta-feira (9) com dados atualizados até 8 de abril.

No documento, a pasta informa que das 42.895 amostras recebidas até agora para análise, 6.374 estão em triagem, 1.976, em fase de encaminhamento e outras 21.661 encontram-se em análise, totalizando 30.011 testes ainda sem resultado.

O número atual de exames na fila é 150% superior ao registrado no dia 30 de março, três dias antes do governador João Doria (PSDB) anunciar uma força-tarefa para acelerar os testes de coronavírus. Na ocasião, eram 12 mil testes à espera de avaliação, de acordo com o governo.

Além das amostras que aguardam resultado, há ainda 392 testes cancelados e 1.969 não realizados. Do total de exames recebidos para covid-19 desde fevereiro, só 10.523 tiveram resultados liberados, equivalente a 24,5% do total.

Demora

O boletim mostra que 18 exames que ainda aguardam processamento foram encaminhados ao instituto nas semanas epidemiológicas 8 e 9, que compreendem o período de 16 a 29 de fevereiro, ou seja, há mais de 50 dias. A semana com mais testes represados é a 12, referente aos dias 15 a 21 de março, com 8.881 exames ainda sem conclusão.

O cenário de falta de testes e demora na análise das amostras colhidas atrapalha o controle do surto, destaca a médica sanitarista Ana Freitas Ribeiro, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. “Fica difícil saber se estamos conseguindo desacelerar a transmissão. Precisaria de modelos para estimar, mas eles podem ser frágeis, dependendo da metodologia e da informação empregada”, diz a especialista.

Segundo balanço da quinta-feira (9), o Estado de São Paulo acumula 7.480 casos confirmados e 496 mortes por coronavírus, número que pode aumentar de forma expressiva após a análise das amostras represadas.

Rede

A Secretaria Estadual da Saúde afirmou que o Instituto Butantã passou a ser o responsável por articular a rede de laboratórios que farão o mutirão de análise dos exames. O instituto, por sua vez, informou que o governo estadual conseguiu mobilizar uma rede de 45 laboratórios, e que, quando estiver em plena capacidade, a rede fará 8 mil exames diários.

O Butantã não informou quando a rede de laboratórios deve estar operando em sua capacidade máxima nem a estimativa de prazo para zerar a fila. Mas afirmou que, com o novo modelo, a estimativa é a de que os laudos passem a ser liberados 48 horas após a coleta.

*Com informações do Estadão Conteúdo