Coronavírus: Gaza exporta mais de 700 mil equipamentos de proteção

A Faixa de Gaza fabricou e exportou mais de 600 mil máscaras e 100 mil roupas de proteção nas últimas três semanas. Os materiais são produzidos em quatro fábricas têxteis e exportados para Israel, Cisjordânia ocupada e vários países europeus.

“A produção e exportação de máscaras e roupas de Gaza para o mundo é uma maneira de expressar a bondade do povo palestino e dos cidadãos da Faixa”, disse Basem Naim, diretor do Conselho de Relações Internacionais do movimento islâmico Hamas, que controla de fato o enclave desde 2007 e é considerado uma organização terrorista por Estados Unidos, União Europeia e outros países.

Uma das fábricas envolvidas é a de Taysir Al-Bawab, cujos 20 funcionários até recentemente trabalhavam na confecção de roupas e agora produzem uniformes necessários para combater a propagação da pandemia. Para ele, a crise global devido ao coronavírus foi uma “oportunidade de ouro” para sua fábrica, que “agora gera lucros e empregos”.

Outra fábrica que começou a produzir máscaras para exportação é a de Emad Habub, que também se adaptou às necessidades do mercado, mas advertiu que em breve os produtores têxteis enfrentarão uma escassez de matérias-primas.

Até o sábado (11) foram confirmados 13 casos de infecção pelo novo coronavírus em Gaza pelo Ministério da Saúde local, dos quais nove se referem a pessoas que já estão curadas. Os outro quatro infectados estão isolados e sob observação em um centro de quarentena na fronteira com o Egito.

*Com informações da EFE