Coronavírus: Nova York espera pico de contágio em 7 dias

O número de casos confirmados de Covid-19 no estado de Nova York, maior foco da pandemia no momento, subiu para 113.704 neste sábado (4), 10.841 a mais do que na sexta, enquanto o número de mortes causadas pela doença chegou a 3.565 – aumento de 630 em relação à véspera, anunciou o governador Andrew Cuomo, que disse esperar o pico de contágios nos próximos sete dias.

Em entrevista coletiva diária, Cuomo detalhou que o maior número de casos continua concentrado na cidade de Nova York, que totaliza 53.306, 6.147 a mais do que nesta sexta. Explicou também que o número de internações e admissões para tratamento intensivo segue aumentando.

No momento, 15.905 pessoas no estado estão hospitalizadas devido ao novo coronavírus, 1.095 a mais do que na véspera, e 4.126 pacientes estão em terapia intensiva, 395 além das contabilizadas na sexta.

Por outro lado, o governador quis destacar que 10.478 pessoas receberam alta médica desde o surto da pandemia, 1.592 pacientes nas últimas 24 horas.

“Eu gostaria que isto acabasse, só se passaram 30 dias desde o primeiro caso, mas parece uma vida inteira”, disse Cuomo, que classificou a situação como “quase incontrolável”.

Ao longo do discurso, o governador disse ainda que, segundo sua leitura das projeções mais recentes, espera que o pico da curva de contágios, que será “o maior desafio para o sistema de saúde”, ocorra nos próximos sete dias.

“Estamos nos aproximando do pico, dependendo do modelo usado estamos a quatro, cinco, seis, sete dias, embora alguns o estendam para 14 dias, mas nossa leitura das projeções é que estamos em algum lugar perto do intervalo de sete dias”, disse o governador antes de enfatizar que Nova York ainda não está pronta para lidar com a situação.

Cuomo explicou que 85 mil profissionais da saúde (22 mil de outras partes do país) já se voluntariaram para combater a pandemia, e acrescentou que emitirá uma ordem para que os estudantes de medicina com formatura marcada possam começar a atuar.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, anunciou na noite desta sexta que chegou a um acordo com as companhias aéreas JetBlue e United Airlines para oferecer voos gratuitos de ida e volta para o profissionais da saúde voluntários para lidar com a pandemia em Nova York.

*Com informações da EFE