Covid-19: Alemanha contabiliza 2537 novos casos e 126 óbitos em 24 horas

O Instituto Robert Koch, órgão do governo da Alemanha que contabiliza dados no país sobre a pandemia da covid-19, divulgou nesta segunda-feira (13) que foram registradas 2.537 infecções e 126 mortes a mais nas últimas 24 horas.

Com isso, de acordo com os dados que levam em conta 13 dos 16 estados federados, são 123.016 casos e 2.799 óbitos desde o início da crise. Entretanto, os dados são considerados ainda provisórios, já que durante o feriado da Semana Santa é possível que informações não tenham sido computadas.

Os números apresentados pelo Instituto Robert Koch são diferentes ao da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, que tem um sistema mais dinâmico de contabilização e indica 127.854 casos de infecção e 3.022 mortes na Alemanha. O número de pacientes que receberam alta no país, no entanto, é bem próximo entre os dois órgãos, ambos em pouco mais de 64 mil.

Até o momento, a Alemanha ocupa o quinto lugar em países de maior contágio, atrás de Estados Unidos, Espanha, França e Itália.

Desde o dia 22 de março, vale em todo o país a proibição de aglomerações, saídas de mais de duas pessoas de casa – com exceções. É permitida a prática de atividades físicas ao ar livre, de maneira individual.

Cada governo dos estados, os chamados “Land” são responsáveis por adotar as medidas impostas ou não. A Baviera, região mais afetada no país, é a mais restritiva, com confinamento quase total.

As restrições seguirão vigentes até, pelo menos, o dia 19 deste mês, quando acaba o período de férias escolares. Nesta quarta-feira (15), haverá nova reunião para avaliar as medidas e os próximos passos.

Retomada de atividades

Um grupo de pesquisadores que vem formando a base de consulta da chanceler Angela Merkel, da Academia Superior Leopoldina, divulgou nesta segunda-feira (13) as recomendações, em que consta, inclusive, a retomada a atividade educacional.

A sugestão é que crianças de até dez anos sigam em casa, enquanto as maiores possam retornas às aulas usando máscaras de proteção e respeitando normas de distanciamento. A partir daí, gradualmente, seriam retomadas outras atividades, como o funcionamento do comércio e de órgãos de governo, para depois disso ser autorizada a realização de eventos culturais e esportivos.

*Com informações EFE