Criação de empregos em alguns setores é alento em meio à crise

Em meio a toda crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, não só na saúde, mas também na economia, há notícias boas vindas de alguns setores.

A área supermercadista é uma delas. Como se trata de um serviço essencial em tempos de isolamento, a demanda aumentou consideravelmente.

O presidente da Apas, Associação Paulista de Supermercados, Ronaldo dos Santos indica que que foram abertos 5 mil postos de trabalho. Ele acrescenta que as entrevistas com os candidatos estão sendo realizadas de forma virtual atendendo as recomendações das autoridades sanitárias.

Outro setor que registra crescimento em contratações, especialmente para as vagas temporárias, é o da saúde.

O presidente do Hospital Albert Einstein, Sidney Klajner aponta que contrataram cerca de 1500 profissionais, não só para a própria instituição, mas também para as parcerias com o poder público, incluindo o hospital de campanha no Estádio Paulo Machado de Carvalho, Pacaembu.

Apesar deste cenário positivo no campo das admissões, o segmento da saúde como um todo apresenta um comportamento de evolução salarial nos últimos cinco anos com ganhos percentuais abaixo da inflação.

Com o acúmulo inflacionário de de 32,07%, segundo IPCA, 4 das 6 profissões analisadas pela organização quero bolsa tiveram perdas frente aos reajustes (Farmacêutico, Biomédico, Químico e Biólogo).

Já os Médicos Clínicos foram os únicos com ganhos reais relevantes. Os Enfermeiros por sua vez, tiveram, na prática, a reposição da inflação.

*Com informações do repórter Daniel Lian