Déficit do Cruzeiro é de R$ 134 mi para 2020; clube deve R$ 81 mi a Fifa

Os candidatos à presidência e ao conselho deliberativo do Cruzeiro receberam nesta quarta-feira um panorama completo sobre as dívidas do clube. Em reunião virtual, o Núcleo Dirigente Transitório, que assumiu a gestão do clube no fim de 2019, apresentou o déficit de R$ 143 milhões nas contas da temporada.

A dívida mais preocupante envolve processos na Fifa, e supera a casa dos R$ 81 milhões. Segundo o grupo administrativo, o clube precisará quitar R$ 36 milhões ainda no primeiro semestre deste ano, e outros R$ 43,7 milhões até dezembro. Para 2021, restará ainda R$ 1,1 milhão para serem quitados.

Apesar o déficit milionário, o relatório apontou pontos positivos para o período que o grupo está administrando o clube. A folha salarial do Cruzeiro, que era de R$ 16 milhões mensais, foi reduzida em 81%, e agora custa R$ 3 milhões. Os jogadores que permaneceram no clube após o rebaixamento aceitaram a redução salarial a partir de um acordo que garante o recebimento dos valores suprimidos a partir de maio de 2021 – época em que o clube espera estar de volta à primeira divisão.

David, Ederson, Fabrício Bruno, Rafael, Thiago Neves e Fred acionaram a Justiça para o encerramento dos seus vínculos com o clube. O grupo gestor estimou que a perda de receitas com a saída dos jogadores chega a R$ 60 milhões.

O relatório aponta também que o Cruzeiro economizou R$ 25 milhões com a saída de funcionários, R$ 1,2 milhão com divisões de base, R$ 1,92 milhão com planos de saúde e seguros de vida e R$ 900 mil com listas telefônicas.

* Com Estadão Conteúdo