FMI sob pressão para ajudar mercados emergentes em crise

(Bloomberg) — A capacidade dos países de reduzirem o contágio do coronavírus e se recuperarem totalmente da pior recessão em tempos de paz desde a Grande Depressão pode depender do que formuladores de políticas econômicas decidirem nesta semana.

Mercados emergentes e países em desenvolvimento enfrentam emergências de saúde, demanda em colapso e problemas de liquidez, o que coloca os guardiões da economia global sob pressão para aliviar a crise durante as reuniões por videoconferência do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial programadas para esta semana.

“É um momento decisivo”, disse o ex-economista-chefe do FMI, Maury Obstfeld. “Esta pode ser a maior crise global enfrentada no período pós-guerra.”

Tendo tomado todas as medidas necessárias para apoiar suas economias, o fracasso dos líderes do G-20 para agir em conjunto pode criar “reservatórios da doença” e desencadear a migração ao exterior de países pobres “em uma escala bíblica”, disse Obstfeld, agora professor da Universidade da Califórnia, Berkeley.

A falta de ação vigorosa poderia acelerar a inadimplência da dívida e dificultar qualquer tipo de recuperação da economia mundial. A alta do dólar foi particularmente prejudicial para países que fizeram empréstimos em dólar e que agora precisam pagá-los, especialmente devido à queda das exportações.

Ministros das Finanças do G-20 e bancos centrais se reúnem em teleconferência na quarta-feira. O plano é oferecer aos países de baixa renda um congelamento dos pagamentos bilaterais de empréstimos de governos, segundo pessoas a par do assunto.

Isso se encaixa no plano defendido pela diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, e pelo presidente do Banco Mundial, David Malpass. Em março, o Banco Mundial, estimou que US$ 14 bilhões em pagamentos do serviço da dívida vencem neste ano.

O temor é que, se os mercados emergentes ficarem para trás, “significaria uma recuperação mais em forma de U ou de L para os EUA e economias globais”, disse Nathan Sheets, ex-funcionário do Tesouro dos EUA, agora economista-chefe do PGIM Fixed Income.

Enquanto EUA, Europa e Japão abriram as torneiras monetárias e orçamentárias para combater o Covid-19 e seus efeitos econômicos posteriores, muitas economias emergentes carecem de escopo para isso.

Economistas do Morgan Stanley preveem que o PIB de mercados emergentes, excluindo a China, encolha 4,1% no trimestre atual, um mergulho mais profundo do que a retração de 3,1% do primeiro trimestre de 2009, durante a crise financeira, embora mais raso do que o esperado nas economias mais ricas. Eles também estimaram em relatório de 3 de abril que a taxa máxima de crescimento durante a recuperação para essas economias será de 6% no segundo trimestre de 2021 contra 7,7% no mesmo período de 2010.

O problema é ainda mais grave em países mais pobres, onde muitos habitantes não têm como praticar o distanciamento social e a lavagem regular das mãos que se tornou norma em países ricos.

Nesse cenário, o FMI acredita que mercados emergentes e países em desenvolvimento precisarão de trilhões de dólares em financiamento externo para combater o vírus, dos quais apenas parte pode ser coberto pelos governos, deixando lacunas de centenas de bilhões de dólares. Metade dos 189 membros da organização já busca ajuda.

The post FMI sob pressão para ajudar mercados emergentes em crise appeared first on InfoMoney.