‘Futebol é uma das últimas coisas que serão liberadas’, diz governo da Argentina

A Argentina não tem pressa de retornar com o calendário do futebol nacional. O ministro dos Esportes e do Turismo do país, Matías Lammens, admitiu que o retorno das competições está no fim da fila de prioridades do país, que está em estado de confinamento obrigatório desde 20 de março para evitar o contágio do coronavírus.

“O futebol é uma das últimas coisas que serão liberadas. É difícil fazer prognóstico preciso, mas estimo que vamos passar todo abril e maio sem futebol”. A declaração foi dada à emissora local A24.

Nesta sexta, 17, a suspensão das competições completa um mês. Os clubes da primeira divisão, que tinham encerrado o campeonato vencido pelo Boca Juniors, começavam a disputa da Copa da Superliga, que ocupa o fim do calendário argentino.

O governo anunciou na semana passada medidas para evitar complicações financeiras graves decorrentes da paralisação das competições, entre elas, está o adiamento ou a redução de até 95% das contribuições patronais para empregadores que não tenham mais do que 60 funcionários.

Além disso, está prevista a compensação salarial para entidades com mais de 100 empregados e a possibilidade de acessar o Programa de Recuperação Produtiva, para evitar demissões.

* Com EFE