Governo de SP vai contratar mais de 1,1 mil profissionais de saúde no combate ao coronavírus

O governador do Estado de São Paulo, João Doria, anunciou, nesta segunda-feira (13), a contratação de 1.185 profissionais que vão atuar na saúde pública dos 645 municípios estaduais através de hospitais e centros de atendimento.

Dos profissionais, 260 serão remanescentes dos concursos anteriores e já começam a exercer o cargo no próximo dia 22 de abril. Desse número, 210 são enfermeiros e 50 fisioterapeutas.

As outras 925 contratações terão duração de 12 meses e vão ser ocupadas por 245 médicos, 630 técnicos de enfermagem, 20 técnicos de saúde para assistência social e 30 oficiais de saúde. As inscrições estarão abertas entre os dias 15 e 22 de abril, com previsão do início do trabalho a partir de 1º de maio.

João Doria também comemorou a marca de 59% da população em isolamento social, atingida no último domingo (12) após medidas anunciadas na última quinta-feira (9). Elas previam um maior rigor no monitoramento da quarentena com ajuda das operadoras de telefonia celular.

Doria lembrou, porém, a necessidade de que as pessoas se mantenham em casa mesmo diante do resultado positivo.

Nova campanha para rádio e TV

O governo estadual também anunciou uma nova campanha, com duração de de 30 segundos, que será veiculada a partir desta segunda-feira em todas emissoras de rádio e televisão do Estado de São Paulo e na internet.

A campanha reforça a mensagem do “fique em casa” e pede que as pessoas sejam solidarias consigo, com os familiares, vizinhos e amigos. O vídeo segue as diretrizes orientadas pela ciência e medicina expostas pelo Centro de Contingência no combate ao novo coronavírus, dirigido pelo infectologista David Uip.

Doria reforçou que o Estado de São Paulo “não toma um passo que não seja amparado na orientação cientifica”.

Foi anunciado também que, a partir da terça-feira (14), o governo iniciará uma campanha de orientação educativa com profissionais da vigilância sanitária. Eles atuarão em estabelecimentos e comunidades para orientar, adequadamente, sobre a obrigatoriedade de atender a quarentena.

De acordo com o governador, os profissionais estão autorizados a dialogar com agrupamentos em praças, avenidas e outros locais para que dispersem e não façam aglomerações.