Ministério da Saúde: não é momento de pensar em lockdown, mas em distanciamento social

Em entrevista coletiva no fim da tarde deste sábado (11) para detalhar a situação do novo coronavírus no Brasil, Wanderson Oliveira, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, disse que ainda não é o momento de aplicar o “lockdown” (bloqueio total de circulação) no País, mas de intensificar o distanciamento social.

“Creio que o momento não é de pensar em lockdown, mas em distanciamento social, em lavar as mãos com frequência, em cobrir o rosto ao tossir e espirrar, e em usar máscaras. Medidas de higiene, etiqueta social e distanciamento são as únicas e mais eficientes armas que temos”, disse.

Segundo o secretário, caso a curva de transmissão continue crescendo em ritmo exponencial, gestores locais poderão, no entanto, pensar em adotar futuramente o lockdown. Neste tipo de quarentena, forças policiais podem ser usadas para impedir a entrada e a saída de pessoas em bairros e/ou cidades.

“Neste caso, cada gestor local vai adotar a medida para que ela seja durante o tempo mais curto possível, já que é muito amarga e traz impactos econômicos expressivos. Esperamos não ter que adotar em nenhum local do Brasil. Para isso, reforçamos que é fundamental que o distanciamento não seja relaxado, principalmente em Manaus, Fortaleza e São Paulo.”

Questionado sobre a recusa do presidente Jair Bolsonaro em respeitar o isolamento social, João Gabbardo, secretário executivo do ministério, disse que a equipe da pasta não se manifesta sobre as atitudes do chefe do Executivo.

Mais cedo, o ministério divulgou que o número de mortos pela Covid-19 no Brasil subiu para 1124. Já os casos confirmados aumentaram para 20.727.