Motorista suspeito de espancar passageiro em BH diz que foi agredido com garrafa de cerveja

Christian Frizzira se apresentou à polícia e deu uma outra versão sobre o ocorrida. Já o passageiro afirma que foi perseguido e espancado pelo motorista.

Motorista de aplicativo disse que foi golpeado por passageiro com uma garrafa. — Foto: Christian Frizzira/Arquivo pessoal
Motorista de aplicativo disse que foi golpeado por passageiro com uma garrafa. — Foto: Christian Frizzira/Arquivo pessoal

O motorista de aplicativo Christian Henrique Frizzira, suspeito de agredir o passageiro Thiago Phillip Abreu, com uma chave de roda no último domingo (14), se apresentou à polícia e deu uma outra versão sobre o caso.

De acordo com o boletim de ocorrência, Frizzira disse que aceitou a corrida, mas ao perceber que o destino seria Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, disse ao passageiro que não poderia fazer a viagem.

“A gente só fica sabendo do destino quando chega para buscar o passageiro. Eu fiquei com medo, né? Ele estava com uma garrafa na mão. Disse que ia cancelar a corrida e que ele não ia arcar com nada. Mas ele começou a me agredir verbalmente”, disse ele à reportagem.

Ainda segundo o motorista, Thiago estaria alcoolizado e teria começado uma discussão. Frizzira disse que o passageiro saiu do carro e bateu a porta. Daí o motorista também saiu do veículo com a intenção de acalmá-lo. Neste momento, Frizzira teria sido atingido por uma garrafa de cerveja.

“Ele acertou minha cabeça. Quando eu senti o sangue escorrendo fiquei muito nervoso. Ele correu e eu fui atrás dele com o carro para tirar satisfação”, disse o motorista que levou três pontos na cabeça.

Pano usado por Christian Frizzira para estancar o sangue. — Foto: Christian Frizzira/Arquivo pessoal
Pano usado por Christian Frizzira para estancar o sangue. — Foto: Christian Frizzira/Arquivo pessoal

A partir daí, os dois teriam trocado socos. No boletim de ocorrência, Frizzira admitiu ter golpeado Thiago uma vez com uma chave de roda. Ele disse à polícia que a usou para se defender. Porém, o motorista disse que não se lembra disso e que estaria segurando apenas um pano no momento da briga.

“Eu trabalho com Uber há dois anos. Preciso trabalhar”, disse ele.

Ainda segundo Frizzira, uma terceira pessoa teria aparecido para separar os dois.

Boletim de ocorrência registra depoimento do motorista de aplicativo. — Foto: Polícia Militar/Reprodução
Boletim de ocorrência registra depoimento do motorista de aplicativo. — Foto: Polícia Militar/Reprodução

Já Thiago disse à polícia que discutiu com o motorista, saiu do carro, foi perseguido por ele e depois espancado com a chave de roda até que desmaiasse.

Ele foi levado para o Hospital de Pronto Socorro João XXIII onde levou 60 pontos na cabeça. Ele fraturou parte da face e teve um corte profundo em um dos ombros.

Em nota, a Uber lamentou o ocorrido e informou que suspendeu a conta do motorista até que as investigações sejam concluídas.

Thiago Abreu levou 60 pontos na cabeça apos ser atacado por motorista de aplicativo. — Foto: Thiago Abreu/Arquivo pessoal
Thiago Abreu levou 60 pontos na cabeça apos ser atacado por motorista de aplicativo. — Foto: Thiago Abreu/Arquivo pessoal