Paraguai retira ordem de prisão contra empresária envolvida na prisão de Ronaldinho

O Ministério Público do Paraguai retirou nesta terça-feira o mandado de busca e prisão contra a empresária Dalia López, responsável pelo projeto de caridade que levou Ronaldinho, e seu irmão Assis, ao país vizinho.

A dupla está em prisão domiciliar por portarem passaporte com conteúdo falso. O paradeiro de Dalia é desconhecido desde a prisão dos brasleiros, que agora estão hospedados em um hotel em Assunção. Os dois pagaram fiança de US$ 1,6 milhão, mas ainda podem pegar até cinco anos de detenção.

O Ministério Público lembrou em comunicado à imprensa que emitiu o primeiro mandado de prisão em 7 de março e que, quando a empresária não compareceu, solicitou um tribunal de garantias para declará-la foragida.

A Procuradoria estabeleceu também que o juiz do caso deveria emitir um mandado internacional de prisão à Interpol para que Dalia pudesse ser processada pela produção e uso de documentos públicos com conteúdo falso, entre outros fatos sob investigação.

Os advogados de Dalia López disseram que ela providenciou passaportes paraguaios para Ronaldinho e Assis através de uma agência particular e não tinha conhecimento sobre a procedência dos documentos.

A defesa dos irmãos, por sua vez, argumentou então que ambos estavam interessados em abrir negócios no Paraguai e que os receberam como um presente.

* Com EFE