A corporação é responsável pela investigação sobre o rompimento da barragem e ainda no trabalho de identificação de corpos e fragmentos retirados na lama.

Helicóptero da Polícia Civil sobrevoa área devastada pela lama à procura de vítimas no dia seguinte ao desastre em Brumadinho — Foto: Reprodução/TV Globo

Helicóptero da Polícia Civil sobrevoa área devastada pela lama à procura de vítimas no dia seguinte ao desastre em Brumadinho — Foto: Reprodução/TV Globo

A Polícia Civil de Minas Gerais realiza, às 16h neste domingo (5), missa em homenagem às vítimas do rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, da mineradora Vale, em Brumadinho. A tragédia do dia 25 de janeiro tem, até o momento, 235 mortos identificados e 35 pessoas desaparecidas.

Com a celebração aberta à comunidade, a polícia demonstra ainda solidariedade às famílias e reconhecimento aos servidores da corporação que atuam desde o dia do desastre. A missa será celebrada na Capela da Polícia Civil, à rua Gastão Bráulio dos Santos, esquina com Rua Miguel Gentil, no bairro Nova Gameleira, região Oeste de Belo Horizonte.

Além do trabalho de investigação do caso, cujo inquérito ainda não foi concluído, a Polícia Civil também é responsável pelo Instituto Médico-Legal, que trabalha na identificação de corpos e segmentos.

Até a última sexta-feira (3), 127 resultados de exames de DNA já haviam sido emitidos. Através deste exame, 27 vítimas puderam ser identificadas. Outros 189 corpos ou fragmentos corpóreos ainda estão pendentes de identificação.

Neste domingo (5), a corporação divulgou os nomes de duas vítimas. A identificação destes dois homens foi confirmada na sexta-feira (3), mas os nomes não foram relevados na ocasião por que as famílias ainda não tinham sido informadas.

Os nomes das duas vítimas são Bruno Rocha Rodrigues e João Paulo Altino.

Buscas

Cão farejador é usado por bombeiros na busca por vítimas da lama da barragem estourada em Brumadinho, no fim de janeiro — Foto: Mauro Pimentel/AFP

Cão farejador é usado por bombeiros na busca por vítimas da lama da barragem estourada em Brumadinho, no fim de janeiro — Foto: Mauro Pimentel/AFP

No 101º dia de buscas e resgate, o Corpo de Bombeiros mantém 159 militares na região da lama vazada da barragem rompida, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Além dos militares, três cães farejadores auxiliam no trabalho de localização de corpos no meio da lama.

Dezesseis frentes de trabalho ainda contam com 76 máquinas pesadas e um drone.