“Por que o caos das enchentes em BH e SP não se repete na mesma escala em Curitiba?

“O crescimento acelerado das cidades brasileiras em meados do século passado fez com que os rios passassem a receber uma imensa carga de dejetos, transformando-se em esgotos a céu aberto. Foi nessa época que a canalização se popularizou como opção urbanística e cidades como Curitiba e Belo Horizonte “jogaram” para o subterrâneo cerca de 30% do total da malha fluvial.

Essa canalização excessiva dos rios, poucas áreas verdes e falta de bacias de contenção, aliadas à força brutal de 491 mm de chuva entre 24 de janeiro e 2 de fevereiro, provocou uma tragédia com mais de 50 mortos em Belo Horizonte e 53 mil pessoas desalojadas ou desabrigadas. Nesta segunda-feira (10), a cidade de São Paulo ficou embaixo de água após chover 113 milímetros em poucas horas, praticamente metade da média esperada para todo o mês de fevereiro.

Quais as chances de que algo parecido, isto é, em proporções semelhantes, possa ocorrer em Curitiba?

Como São Paulo é um caso à parte, por se tratar de uma megalópole, a reportagem faz um comparativo do problema das enchentes em Belo Horizonte e Curitiba (a população estimada pelo IBGE em 2019 para cada cidade foi de 12,2 milhões, 2,5 milhões e 1,93 milhão, respectivamente).

De saída, características do relevo e do planejamento urbano colocam Curitiba numa situação bem menos delicada do que Belo Horizonte. Segundo dados da Superintendência de Desenvolvimento de Belo Horizonte (Sudecap), dos 654 km de rios que cortam a cidade, 208 km estão canalizados ou tapados. Em Curitiba, a Secretaria do Meio Ambiente aponta para a existência de 1.525 km de rios, dos quais 36% estão canalizados, total ou parcialmente. “Curitiba está em um fundo de vale, cercado por serra. Então, toda a água que cai no entorno vem neste vale, daí a quantidade de rios”, explica o engenheiro ambiental Alessandro Bertolino, professor da PUCPR.

Mas em Curitiba, a extensão das áreas verdes (participação de 14,7% no território, contra 7,18% em Belo Horizonte) é o grande diferencial. A maioria dos parques tem lagos que funcionam como contenção da água da chuva, que só é liberada posteriormente aos temporais, de forma controlada, de forma a minimizar a força das águas nas galerias e favorecer o escoamento. “Temos alguns parques, como Barigui e São Lourenço, que são planejados para reter água. Se não fosse assim, bairros inteiros como Santa Quitéria, Cidade Industrial e municípios até a jusante (que ficam no sentido do curso do rio) teriam problemas com o rio Barigui”, destaca Bertolino.

Alagamentos no Parque Barigui funcionam como válvula de escape, evitando transbordamento do rio em área urbana| Leticia Akemi / Gazeta do Povo
A capital paranaense também é “protegida” pelo relevo levemente ondulado – ao contrário de Belo Horizonte, que é mais acidentado. “Numa situação de chuvas como a que ocorreu em janeiro, a água vem com velocidade maior, e por isso é capaz de arrastar pessoas e até carros”, diz o professor da PUCPR. Em Curitiba, a diferença entre o ponto mais alto e o mais baixo é de aproximadamente 160 metros, contra 600 na capital mineira.

Segundo a diretora de Recursos Hídricos da SMMA, Ana Carolina Schmidlin, a chance de incidentes aumenta no verão, com a ocorrência de chuvas intensas, muitas vezes de forma atípica. “Mesmo assim, com ações que a prefeitura tem tomado, podemos minimizar os prejuízos. Curitiba já tem políticas estruturadas pensando em combater o risco de enchentes. Temos um Plano Diretor de Drenagem [2017], temos planos setoriais de resíduos, de saneamento básico, obras de macrodrenagem e muitos projetos envolvendo a população, como o de Amigos dos Rios”, afirma.

“Em Belo Horizonte, entrou em vigor na quarta-feira (5) um Plano Diretor exigindo caixa de captação de água de chuva em todos os terrenos. Mas desde 2007 Curitiba exige a construção de bacias de contenção nos novos prédios da cidade, de acordo com a área a ser construída, por meio do Decreto nº 176.

A limpeza da cidade é muito importante, diz Ana. “Pedimos apoio da população para manter isso, que é muito forte em Curitiba. Geralmente os alagamentos estão ligados a obstruções nas galerias, pelo acúmulo de lixo”, observa. Em Belo Horizonte, por exemplo, a prefeitura informou no dia 31 que havia retirado cerca de 10 mil toneladas de lixo e entulho espalhadas na rua após as chuvas dos dias anteriores. Do total, 8 mil toneladas eram entulho, incorretamente depositados.

Limpeza e desobstrução
Segundo o secretário municipal de Obras Públicas, Rodrigo Rodrigues, o depósito irregular de lixo também ocorre em Curitiba, mas há 18 equipes que trabalham ao longo do ano para limpeza, desobstrução e manutenção das galerias. “Aliado à manutenção básica, a gente tem as grandes obras de macrodrenagem, que possibilitem que os rios consigam esgotar as águas de maneira controlada e evitando grandes alagamentos quando há fortes chuvas”, diz ele.

Uma obra de destaque atualmente está sendo feita nos canais Santa Bernadete, Henry Ford, Vila Guaíra e Vila Cortume e no Rio Pinheirinho, que recebe as águas desses córregos e as leva ao Rio Belém. “São 7 quilômetros de uma obra inovadora, com um projeto de uma estrutura de controle para segurar a água da chuva, que vai desacelerando para entrar no Belém. As galerias menores, quando tentam desaguar em um rio já cheio, não têm força e por isso há alagamentos. As obras visam fazer com que os pequenos canais cheguem aos grandes rios”, explica. A intenção é replicar essa técnica em outros rios.