Socorro emergencial pode perdoar dívida de R$ 13 bilhões do RJ

O projeto de socorro emergencial aos Estados e municípios pelo avanço do coronavírus pode perdoar uma dívida de pelo menos R$ 13 bilhões ao Rio de Janeiro.

Os números foram projetados com base no parecer lido no plenário da Câmara na quarta-feira (8). A avaliação preliminar é que o projeto incentiva a saída do Rio de Janeiro do Regime de Recuperação Fiscal (RRF).

Até agora, o Rio de Janeiro foi o único estado que aderiu ao regime, que passava por reformulações do chamado Plano Mansueto de auxílio financeiro aos Estados, deixado de lado temporariamente.

O artigo 9º do projeto emergencial, que tem como relator o deputado Pedro Paulo (DEM), retira os encargos moratórios da desistência de ações judiciais. Esse artigo é o que pode perdoar uma parcela de R$ 13 bilhões da dívida do Rio de janeiro.

Antes de o Rio entrar no RRF, o Estado precisou renegociar a dívida com a União pela Lei Complementar 156. Para entrar nessa renegociação, os Estados tinham que desistir das ações judiciais que tinham contra a União.

Com isso, o governo fluminense precisou contabilizar o valor que não foi pago em decorrência das ações judiciais. Esses valores foram recalculados com encargos, gerando um aumento de R$ 13 bilhões no estoque da dívida do Rio de Janeiro.

*Com informações do Estadão Conteúdo