Trump desafia governadores e diz ter autoridade para reabrir estados

O presidente norte-americano Donaldo Trump disse em entrevista coletiva na segunda-feira (13) que tem autoridade para dizer quando os estados do país devem reabrir a economia. Segundo Trump, ele vai finalizar, em breve, uma série de orientações para que os governadores comecem a reabrir os negócios de forma segura.

Mais cedo ele já tinha publicado uma mensagem no Twitter falando sobre o assunto. “Com o objetivo de criar conflito, estão dizendo que a decisão de reabrir os estados é dos governadores e não do presidente. Que fique claro que isso é incorreto. A decisão é do presidente e por um bom número de razões. Estamos trabalhando com os governadores e vamos continuar. Uma decisão minha junto com governadores será feita em breve.”

Especialistas, no entanto, discordam de Trump. No Twitter, um professor de direito da Universidade do Texas, afirmou que o presidente não tem autoridade para fazer os estados mudarem suas políticas.

“O presidente pode informalmente pressionais os governos estaduais e locais. Ele pode até mandar os servidores federais voltarem aos trabalhos, mas ele deixou tanto na mão das autoridades locais até agora que até isso vai acabar dependendo delas.”

É importante lembrar que Donald Trump não determinou a quarentena nos Estados Unidos, ele apenas orientou que os estados seguissem as recomendações de distancia social.

Trump não fala quando uma reabertura poderia acontecer e voltou a afirmar que vai seguir as recomendações do

O governador de Nova York reforçou que o estado está conseguindo achatar a curva de contágio do coronavírus. Segundo ele, uma estratégia de reabertura dos comércios será discutida com outros governadores.

O governador de Nova York também não sabe quando a reabertura pode acontecer, mas destacou que isso não acontecerá da noite para o dia. Para ele, a vida vai voltar ao normal quando existir uma vacina, o que pode levar cerca de um ano. O coronavírus causou, pelo menos, dez mil mortes em Nova York.

*Com informações da repórter Mariana Janjácomo